Inicio » Brasil » O médium João de Deus recebe alta e é levado de volta ao presídio em Aparecida de Goiânia, em Goiás

O médium João de Deus recebe alta e é levado de volta ao presídio em Aparecida de Goiânia, em Goiás

O médium João de Deus recebeu alta médica na madrugada desta quinta-feira (3), após passar mal na prisão e ser encaminhado para o hospital. Ele apresentou sangramento na urina e, por isso, foi necessário fazer exames fora da unidade prisional. Depois do atendimento, voltou para o Núcleo de Custódia, onde está preso após denúncias de abuso sexual. Ele nega as acusações.

João de Deus está preso desde o dia 16 de dezembro. Na tarde de quarta-feira (2), ele apresentou sangramento ao urinar. Um médico do Complexo Prisional pediu exames e ele foi encaminhado em carros da escolta prisional para a Unidade de Pronto Atendimento do Parque Flamboyant, em Aparecida de Goiânia.

De lá, após ser examinado e medicado, foi encaminhado para o Hospital de Urgências de Goiânia, Hugo. De acordo com a unidade, ele passou por avaliação de equipe multidisciplinar e foi submetido a exames laboratoriais e de imagem.

“Os resultados dos exames não mostraram alterações que indicassem necessidade de internação hospitalar, por isso, o paciente recebe alta para acompanhamento ambulatorial na unidade de origem”, diz a nota do hospital. Ele deixou a unidade de cadeira de rodas e foi colocado no carro da escolta prisional. Ele chegou ao Complexo Prisional às 0h23min.

O médium tem 77 anos, sofre de problemas cardíacos e já fez tratamento para combater um câncer no estômago. O advogado Alex Neder, que integra a defesa, conta que acompanhou o médium no presídio.

“Ele teve um sangramento na urina, mas já não vem se sentindo bem há alguns dias. Ele também relatou dor no estômago e tontura. Fizemos o requerimento para que ele fosse levado o mais rápido possível para fazer exames e o médico do Complexo Prisional também pediu exames com urgência”, contou.

O defensor afirmou que a família ficou muito preocupada ao saber da situação, que ele define como “precária”. “Não é o local adequado para que ele fique, principalmente agora, com o agravamento do estado de saúde dele”, completou.

MP e Justiça

João de Deus está preso desde o dia 16 de dezembro. O MP (Ministério Público) o denunciou no dia 28 de dezembro por quatro crimes que englobam fatos investigados pela Polícia Civil e Ministério Público: dois por violação sexual mediante fraude e dois por estupro de vulnerável.

O TJ-GO (Tribunal de Justiça do Estado de Goiás) informou que a denúncia contra o médium só será analisada após o plantão judiciário, que termina no dia 7 de janeiro. Além disso, os autos foram remetidos à “juíza natural do processo”, Rosângela Rodrigues dos Santos, responsável pela comarca de Abadiânia, no Entorno do Distrito Federal, onde o caso tramita.

Situação atual:

Ministério Público Estadual de Goiás denunciou João de Deus por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável no dia 28 de dezembro. Órgão também recorreu de decisão que determina prisão domiciliar de João de Deus por posse de arma; médium está preso desde o dia 16 de dezembro; ele é investigado por estupro, estupro de vulnerável, violação sexual mediante fraude e posse ilegal de arma; João de Deus prestou depoimento para a Polícia Civil, quando foi preso, e ao MP-GO, no dia 26 de dezembro; a esposa do médium foi ouvida pela Polícia Civil e disse que não sabia de crimes; a defesa teve dois habeas corpus pelos crimes sexuais negados e foi ao STF; Justiça concedeu prisão domiciliar por posse de armas; MP recebeu mais de 600 emails pelo endereço denuncias@mpgo.mp.br e identificou cerca de 260 vítimas em seis países;
mulheres que denunciaram João de Deus ao MP tinham entre 9 e 67 anos ao serem abusadas, conforme relatos; a Polícia Civil colheu depoimentos de 16 mulheres; o Ministério Público já ouviu mais de 100, até o dia 28 de dezembro; em operações em endereços ligados a ele foram achadas armas, pedras preciosas e mais de R$ 1,6 milhão; a fazenda do médium foi alvo de vandalismo; a Justiça determinou o bloqueio de R$ 50 milhões das contas de João de Deus; a Casa Dom Inácio de Loyola segue funcionando, mas registrou queda de 50% no movimento.

Autor: admin
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login

Perdeu sua senha?