•  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A taxa de desemprego aumentou em 11 Estados brasileiros, entre eles o Rio Grande do Sul, no segundo trimestre deste ano na comparação com os três primeiros meses anteriores, segundo pesquisa divulgada na sexta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).Em outros 14 Estados, o desemprego se manteve estável. Já no Amapá e no Pará houve queda. As maiores taxas de desocupação foram observadas na Bahia (19,9%), Sergipe (19,8%) e Alagoas (17,8%), enquanto as menores ocorreram em Santa Catarina (6,9%), Pará (9,1%), Rio Grande do Sul (9,4%) e Paraná (9,6%).Apesar de estar entre os três menores do País, o desemprego no RS subiu 1,1 ponto percentual no segundo trimestre, passando de 8,3% para 9,4%.Na média nacional, a taxa de desemprego subiu para 13,3% no segundo trimestre, atingindo 12,8 milhões de pessoas. Em três meses, o País perdeu 8,9 milhões de postos de trabalho em meio aos impactos da pandemia de coronavírus, que provocou uma queda recorde no número de brasileiros ocupados.Já os maiores avanços na taxa de desemprego foram observados em Sergipe (4,3 pontos percentuais), Mato Grosso do Sul (3,7 pontos), Rondônia (2,3 pontos) e Rio de Janeiro (1,9 pontos).A Pnad Contínua é realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados. Existem outros números sobre desemprego, apresentados pelo Ministério da Economia, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.Seguro-DesempregoCom a chegada da pandemia do novo coronavírus e o aumento no número de demissões em um curto espaço de tempo, fez com que vários projetos de lei sobre o seguro-desemprego fossem enviados a Câmara dos Deputados, onde, em sua maioria os projetos propõem a prorrogação das parcelas do seguro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *