more

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) confirmou nesta terça-feira (16) mais oito mortes por Covid-19. Elas se referem a óbitos ocorridos entre 11 e 15 de novembro em Itati, Cruzeiro do Sul, São Borja, São Leopoldo, Tiradentes do Sul, Estrela, Panambi e Ijuí. O Rio Grande do Sul chega, com isso, a 35.822 vítimas do coronavírus desde o começo da pandemia. A média móvel de mortes permanece em estabilidade, com variação de -1% em relação a duas semanas atrás. Ainda que tenham sido verificados 19 óbitos, em média, em ambas as datas, há uma pequena diferença no arredondamento.

A SES identificou, ainda, mais 361 infectados. Assim, o RS chega a 1.480.517 casos confirmados desde o começo da pandemia. Do total, 1.438.582 (97,2%) são considerados recuperados, 6.012 (0,4%) estão em acompanhamento, e a taxa de letalidade é de 2,4%. A média móvel de casos segue em queda. Com variação de -19% em comparação com o registrado há 14 dias, ele ficou abaixo de 800, em média, nos últimos sete dias.

Vacinação

O Rio Grande do Sul aplicou cerca de 4,5 mil doses de vacinas nas últimas 24h e, em função do feriado, o percentual avançou pouco em relação ao dia anterior. Até esta terça, 8,78 milhões de moradores haviam recebido ao menos a primeira dose, o equivalente a 76,6% da população. Ao mesmo tempo, 7,42 milhões já receberam as duas doses ou a vacina de dose única, o que corresponde a 64,7% do total de moradores com o esquema vacinal completo. E ainda 820 mil pessoas já receberam a dose de reforço. Ou seja, 7,1% da população está com a imunização atualizada.

O consórcio de veículos de imprensa utiliza dados atualizados do IBGE e considera imunização completa apenas com ambas as doses ou a vacina da Janssen. Logo, os dados podem diferir levemente dos levantamentos oficiais das secretarias de Saúde.

Hospitalizações

As hospitalizações subiram para 1.931 pessoas atendidas nos 3,3 mil leitos de UTI do Estado, o que eleva a taxa de ocupação para 59% da capacidade total. Há, ainda, 91 hospitais com as notificações em atraso no RS. Já o número de vagas ocupadas por pessoas com diagnóstico positivo para coronavírus ou suspeita de síndrome respiratória aguda grave se manteve em 27%. As demais 73% estão hospitalizadas por outras doenças. Em leitos clínicos, segue em 7% o número de pacientes hospitalizados por Covid, ainda que cinco mais tenham sido internados.

São quatro regiões Covid que estão com superlotação nos leitos privados: Uruguaiana, Novo Hamburgo, Pelotas e Passo Fundo. Ainda assim, Cachoeira do Sul tem ocupação acima do adequado entre os leitos SUS e Canoas está com ocupação acima de 80% entre vagas particulares. Em geral, não há falta de leitos de UTI no RS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *